sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O que fede no saneamento básico de SP


Os sintomas de contaminação de pessoas no litoral sul de São Paulo merecem ser melhor apurados antes de culpar vendedores ambulantes como tem feito a GNT, canal pago da Globo que se esmera em não citar responsabilidades de governo quando José Serra está envolvido.

O grande número de contaminados, cerca de 1.500, é um fato que por si já envolve autoridades sanitárias do município e do Estado, quer queiram ou não. Mas até agora não houve explicação convincente por parte dos responsáveis da saúde ou do saneamento básico.

A Sabesp, empresa estatal responsável pelo saneamento básico na maioria do Estado de São Paulo fez um comunicado oficial garantindo a qualidade da água, porém, segundo o jornal Diário do ABC, há contestação de especialistas.

Verdade parcial ou mentira inteira?

Apesar da evidente necessidade de informar a população sobre qual o real motivo da contaminação, a empresa de edição de notícia dos marinhos prefere sugerir que a responsabilidade é das vítimas ou de um complô de vendedores ambulantes. Aceita a nota da Sabesp sem a menor contestação e não consulta fontes diferentes sobre o caso.

Não é de espantar porque, para a Globo, jornalismo confunde-se com o departamento comercial e com os interesses políticos do tucanato paulista e a Sabesp foi a grande financiadora da propaganda do governo Serra pelo Brasil todo, em 2009.

Sabotagem?

Aparentemente, Serra usa a mesma tática que FHC usou para criar a Petrobrax; o desmonte do patrimônio público.
A administração tucana em São Paulo promoveu várias demissões do quadro da Sabesp e da CETESB e, simultaneamente, vem terceirizando os serviços antes efetuados por profissionais concursados.
As consequências podem ser verificadas na queda da qualidade do saneamento básico prestado aos paulistas, nas enchentes, na diminuição da fiscalização do meio ambiente e da saúde.

O Sintaema, Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, denunciou a o criminoso abandono da estação de tratamento de esgoto na zona leste, uma das áreas mais afetadas com as enchentes do rio Tiête.
O jornal da entidade, edição 719, aponta razões para a falha de escoamento das águas no Jardim Pantanal, a falta do tratamento de esgoto, além de relatar o total descaso com a manutenção de equipamentos caríssimos comprados com erário público.

Nenhuma empresa de edição de notícias consultou o sindicato ou investigou as responsabilidades da prefeitura e do governo do Estado nesses episódios.
O mesmo não acontece quando a cobertura da tragédia da chuva volta-se para o Rio de Janeiro. Laudos técnicos, especialistas, comentaristas, vítimas, parlamentares, todo tipo de gente está sendo ouvida em relação à ocorrência de Angra dos Reis.

Algo fede na gestão do saneamento básico em São Paulo e Serra e Kassab não conseguem esconder, mas a imprensa golpista insiste em não mostrar.
Os paulistas estão reféns do desgoverno demo-tucano e de um jornalismo que se comporta hora como partido, hora como balcão de negócios.

Um comentário:

Isa disse...

Ah, é? Você está no Paraná? Me escreve... sorrentino.isa@gmail.com

Beijão!
Isa